25 jun 2024

Após manifestação em Quixabeira, Embasa e Coelba emitem notas. De quem é a culpa?

Depois da manifestação dos moradores na Sede  da Embasa da cidade de Quixabeira, localizada no centro norte baiano, realizada na manhã desta sexta-feira(29/12), e que houve grande repercussão pelos principais sites do estado, e inclusive de esfera nacional, com fato registrado por exemplo pelo portal UOL e o repórter Luis Bacci.

A Embresa Baiana de Saneamento, emitiu na tarde de hoje(sexta), uma nota em que culpa a Coelba Neoenergia, pela constantes falta de água no município, e inclusive em outras cidades do interior baiano.

Porém, horas depois, a Coelba, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica no estado, também emitiu uma nota informando que não há histórico de interrupções frequentes no fornecimento de energia para a unidade de tratamento e abastecimento de água da EMBASA, em Quixabeira, e que no atual mês de dezembro, houve apenas um registro de incidente, que foi resolvido de modo prioritário, com a substituição do equipamento danificado.

Após a divulgação das duas notas, á população de Quixabeira, que sofre as duras penas com as constantes falta de água nas torneiras, continua sem entender onde está o problema, e o pior, sem saber quando este problema será resolvido.

Vejam abaixo na íntegra as duas notas publicadas:

NOTA DA EMBASA

Falhas no fornecimento de energia pela Coelba causam falta de água no interior da Bahia

As falhas constantes no fornecimento de energia elétrica por parte da concessionária Coelba Neoenergia vêm afetando a operação dos sistemas de abastecimento de água de diversos municípios baianos. A cada interrupção da energia, as máquinas param, impedindo a captação, bombeamento, tratamento e distribuição da água para a população. Há também situações em que o problema é a qualidade da energia fornecida pela Coelba, pois as oscilações causam danos aos equipamentos elétricos, que precisam ser reparados ou substituídos.

Um exemplo é o município de Quixabeira, que vem passando por uma grave crise de abastecimento devido a sucessivos problemas no fornecimento de energia. Desde o dia 20 de dezembro, foram cinco paradas no sistema por falta ou oscilação na tensão da energia fornecida. A cada interrupção, é preciso retomar o envio da água por quilômetros de tubulação e encher os reservatórios até que tenham pressão para abastecer todos os imóveis. Aliadas às altas temperaturas que fazem aumentar o consumo, essas constantes falhas inviabilizam a operação normal do sistema.
“Quando as bombas param, as tubulações e reservatórios de água se esvaziam, exigindo tempo para recuperar a pressão e conseguir abastecer a população. Nos grandes sistemas integrados, isso significa um tempo maior de retorno para as localidades mais distantes”, explica o presidente da Embasa, Leonardo Góes.

Hoje (29) de manhã, faltou energia na barragem de Aracatu, no sudoeste baiano. Com isso, as bombas pararam de operar, interrompendo o fornecimento de água para Aracatu, Vila Mariana, Piabanha e povoados do Lajedão, Mergulhão, Cachoeira, Santa Luzia, Tamboril, Traíras, Cantinho, Pau Ferro, Bom Jardim, Olhos D’Água, Poço da Onça, Caldeirão, Passagem do Lajedo, Pimenta, Morros, Lagoa do Potraz, Gentil, Batateira, Duas Barras, Patos e São José.

“Notificamos a Coelba às 8h25 da manhã e até agora, no meio da tarde, não temos sequer uma previsão de quando o fornecimento de energia vai ser retomado”, destaca o gerente regional da Embasa, Manuel Mateus. “Isso prejudica demais a operação dos nossos sistemas e a própria população. São milhares de pessoas que ficam sem água, nesta época de muito calor e alto consumo, por causa desses problemas de energia”.

Muitas vezes, os moradores não associam a falta de água à irregularidade no fornecimento de energia elétrica. “Isso acontece porque, às vezes, falta a energia de alta tensão usada nas estações da Embasa, mas a energia de baixa tensão continua chegando às residências. Com isso, a população não entende que a falta da água decorre de problemas na energia”, destaca o diretor Técnico e de Planejamento da Embasa, Clécio Cruz.

Busca de soluções – Diante das falhas constantes no fornecimento de energia, a Embasa tem recorrido a geradores em diversos equipamentos, como os novos poços que estão sendo perfurados para enfrentar a estiagem do El Niño, pois a Coelba demora de seis meses a um ano para eletrificar esses equipamentos. “Acabamos recorrendo a geradores para ligar os poços, mas isso não pode ser feito em estações de captação e tratamento, que são estruturas de maior porte, pois os geradores não conseguem fornecer a quantidade de energia necessária. É preciso mesmo contar com o fornecimento pela rede da Coelba”, detalha Clécio.

Com o objetivo de cobrar a melhoria do serviço da concessionária de energia, a Embasa tem realizado reuniões frequentes com a Coelba, apresentando o impacto que as falhas no fornecimento têm causado nos sistemas de água e demandando soluções que, efetivamente, permitam a operação dos sistemas de água com regularidade.

Falhas no fornecimento de energia pela Coelba causam falta de água no interior da Bahia

As falhas constantes no fornecimento de energia elétrica por parte da concessionária Coelba Neoenergia vêm afetando a operação dos sistemas de abastecimento de água de diversos municípios baianos. A cada interrupção da energia, as máquinas param, impedindo a captação, bombeamento, tratamento e distribuição da água para a população. Há também situações em que o problema é a qualidade da energia fornecida pela Coelba, pois as oscilações causam danos aos equipamentos elétricos, que precisam ser reparados ou substituídos.

Um exemplo é o município de Quixabeira, que vem passando por uma grave crise de abastecimento devido a sucessivos problemas no fornecimento de energia. Desde o dia 20 de dezembro, foram cinco paradas no sistema por falta ou oscilação na tensão da energia fornecida. A cada interrupção, é preciso retomar o envio da água por quilômetros de tubulação e encher os reservatórios até que tenham pressão para abastecer todos os imóveis. Aliadas às altas temperaturas que fazem aumentar o consumo, essas constantes falhas inviabilizam a operação normal do sistema.
“Quando as bombas param, as tubulações e reservatórios de água se esvaziam, exigindo tempo para recuperar a pressão e conseguir abastecer a população. Nos grandes sistemas integrados, isso significa um tempo maior de retorno para as localidades mais distantes”, explica o presidente da Embasa, Leonardo Góes.

Hoje (29) de manhã, faltou energia na barragem de Aracatu, no sudoeste baiano. Com isso, as bombas pararam de operar, interrompendo o fornecimento de água para Aracatu, Vila Mariana, Piabanha e povoados do Lajedão, Mergulhão, Cachoeira, Santa Luzia, Tamboril, Traíras, Cantinho, Pau Ferro, Bom Jardim, Olhos D’Água, Poço da Onça, Caldeirão, Passagem do Lajedo, Pimenta, Morros, Lagoa do Potraz, Gentil, Batateira, Duas Barras, Patos e São José.

“Notificamos a Coelba às 8h25 da manhã e até agora, no meio da tarde, não temos sequer uma previsão de quando o fornecimento de energia vai ser retomado”, destaca o gerente regional da Embasa, Manuel Mateus. “Isso prejudica demais a operação dos nossos sistemas e a própria população. São milhares de pessoas que ficam sem água, nesta época de muito calor e alto consumo, por causa desses problemas de energia”.

Muitas vezes, os moradores não associam a falta de água à irregularidade no fornecimento de energia elétrica. “Isso acontece porque, às vezes, falta a energia de alta tensão usada nas estações da Embasa, mas a energia de baixa tensão continua chegando às residências. Com isso, a população não entende que a falta da água decorre de problemas na energia”, destaca o diretor Técnico e de Planejamento da Embasa, Clécio Cruz.

Busca de soluções – Diante das falhas constantes no fornecimento de energia, a Embasa tem recorrido a geradores em diversos equipamentos, como os novos poços que estão sendo perfurados para enfrentar a estiagem do El Niño, pois a Coelba demora de seis meses a um ano para eletrificar esses equipamentos. “Acabamos recorrendo a geradores para ligar os poços, mas isso não pode ser feito em estações de captação e tratamento, que são estruturas de maior porte, pois os geradores não conseguem fornecer a quantidade de energia necessária. É preciso mesmo contar com o fornecimento pela rede da Coelba”, detalha Clécio.

Com o objetivo de cobrar a melhoria do serviço da concessionária de energia, a Embasa tem realizado reuniões frequentes com a Coelba, apresentando o impacto que as falhas no fornecimento têm causado nos sistemas de água e demandando soluções que, efetivamente, permitam a operação dos sistemas de água com regularidade.

*NOTA DA NEOENERGIA COELBA*

A Neoenergia Coelba esclarece que não há histórico de interrupções frequentes no fornecimento de energia para a unidade de tratamento e abastecimento de água da EMBASA, em Quixabeira, região norte do estado. No mês de dezembro, registramos apenas um incidente, resolvido de modo prioritário, com a substituição do equipamento danificado.

Ressaltamos que mantemos um atendimento dedicado a instituições e empresas que prestam serviços essenciais, como a EMBASA, para garantir rápida assistência em casos de incidentes. Além disso, implementamos um plano de manutenção preventiva para assegurar o fornecimento contínuo de energia. Nos últimos cinco anos, investimos mais de R$ 11 bilhões em obras e tecnologias para garantir um sistema elétrico confiável e robusto. A Neoenergia Coelba permanece disponível para mais esclarecimentos.

 

BLOG DO RIL DE BETO

DESTAQUE
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img